• EN
  • Ajuda Contextual
  • Imprimir
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
  • LinkedIn
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > GS1201

Sociologia do Envelhecimento II


Código: GS1201    Sigla: SE2

Ocorrência: 2019/20 - 2S

Área de Ensino: Sociologia

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
LGS 11 Despacho 6311/08 de 05 de Março 4 ECTS

Horas Efetivamente Lecionadas

TURMA1

Teóricas: 30,00
Orientação Tutorial: 15,00

Docência - Horas

Teóricas: 2,00
Orientação Tutorial: 1,00

Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 1 2,00
Idalina Maria Morais Machado   2,00
Orientação Tutorial Totais 1 1,00
Idalina Maria Morais Machado   1,00

Língua de Ensino

Português

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

1. Esclarecer a distinção necessária entre objecto sociológico e problema social bem como o contributo da sociologia para a compreensão da génese e institucionalização dos problemas sociais.
2. Compreender a relação estreita entre velhice e passagem à reforma no contexto das sociedades em que predomina o trabalho assalariado.
3. Compreender que as transformações económicas que caracterizam as sociedades industrializadas e terciarizadas induziram profundas transformações nas relações e trocas familiares, provocaram a delimitação de uma fase da vida definida em termos de inactividade e deram origem a um campo de instituições e agentes especializados no tratamento da velhice.
4. Compreender que as expressões 'terceira idade' ou 'seniores' fazem parte do vocabulário jurídico-administrativo e dissimulam a diferenciação das condições materiais de existência após a passagem à reforma, das oportunidades de integração social e de reconhecimento social dos mais velhos.
5. Aprender a analisar as trajectórias sociais e de saúde que fazem da velhice um fenómeno social complexo e diversificado.

Programa

1. A velhice como problema social
2. Transformações económicas e inversão das relações de força entre as gerações no seio da família
3. Os reformados entre integração económica e pobreza: desigualdades económicas entre os reformados na Europa e em Portugal.
4. A invenção da terceira idade: desigualdades de recursos sociais e desigualdades de oportunidades de participação social.
5. Trajectórias de vida e de saúde: importância das desigualdades de classe social, de género e de estado de saúde no envelhecimento

Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objetivos da UC

Os conteúdos programáticos reúnem elementos teóricos relevantes para apreender o processo de constituição das idades como categoria social autónoma. Os conteúdos permitem compreender, igualmente, que os modos de gestão das várias idades ocorrem em contextos sociais históricos construídos por relações de força que, por sua vez, se exprimem politicamente através da intervenção do Estado.A multidimensionalidade do fenómeno da velhice está presente nos pontos 2, 3, 4 e 5, onde se abordam os principais mecanismos geradores de situações de acentuada desigualdade social na velhice, nomeadamente as suas condições materiais de vida, bem como os pré-conceitos e a atomização social presentes na velhice.

Bibliografia Principal

Lenoir, Rémi;L'invention du "troisième âge, Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 26-27, pp.57-82, 1979
Guillemard, A.M. (2007) ;«Une nouvelle solidarité entre les âges et les générations dans une société de longévité» in: Paugam, S. (org). Repenser la solidarité. Paris : PUF, 2007.
Fontes, A.P., Fernandes A.A. (2012);A Funcionalidade dos Mais Idosos (≥75anos): conceitos, perfil e oportunidades de um grupo heterogéneo". Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, p. 91-107 (Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v16n1/a10v16n1.pdf)
Guillemard, A.M. (1996). ;«Vieillissement et exclusion» in : Paugam, S. (org). L’exclusion. L’Etat des savoirs. Paris: La Découverte
Lalive d’Epinay, C. (2003). ;La retraite et après? Vieillesse entre science et conscience. Genève: CIG, n°2.

Bibliografia Complementar

Lopes, A. (2011) ;«Ageing and social class: towards a dynamic approach to class inequalities in old age» in: Malcolm Sargeant (ed). Age Discrimination and Diversity.Multiple Discrimination from an Age Perspective. Cambridge: Cambridge U. Press.

Observações Bibliográficas

A docente poderá fornecer outros documentos de apoio que serão disponibilizados na pasta de documentos da disciplina no Sigarra.

Métodos de Ensino

Seguindo os pressupostos de Bolonha, as metodologias de ensino assentam em: a) sessões teóricas, com exposição por parte da docente dos conteúdos e discussão com os alunos; visualização de filmes/documentários sobre o fenómeno do envelhecimento.; b) sessões de orientação tutorial para acompanhamento da realização dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos; realização de actividades diversificadas estimuladoras da aprendizagem.



Modo de Avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Componentes de Avaliação e Ocupação registadas

Descrição Tipo Tempo (horas) Data de Conclusão
Participação presencial (estimativa)  Aulas  45
  Total: 45

Avaliação Contínua

Os alunos podem optar entre:

A) Avaliação distribuída

a) Realização de um teste escrito individual a realizar na época definida para os exames. Ponderação de 50%.

b) Realização de um trabalho prático de grupo (máximo dois alunos). Ponderação de 40%.

c) A participação nas aulas será contemplada na avaliação com uma ponderação de 10%.


B) Exame final
Um exame escrito individual (100%).

Avaliação Final

Avaliação distribuída

Teste = 50%
Trabalho prático = 40%
Participação = 10%

Exame final

Exame = 100%

Provas e Trabalhos Especiais

Não aplicável.

Avaliação Especial (TE, DA, ...)

De acordo com as normas estabelecidas no RAC.

Melhoria de Classificação Final/Distribuída

De acordo com as normas estabelecidas no RAC.

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular

A compreensão e análise científica da génese do fenómeno do envelhecimento, assim como a compreensão dos mecanismos geradores de desigualdades socais não se coadunam com a mera memorização de conteúdos. O recurso a estratégias pedagógicas que passam pela implicação activa dos alunos no processo de aprendizagem e conhecimento, nomeadamente através da realização de exercícios práticos diversificados, revela-se a mais adequada.