• EN
  • Ajuda Contextual
  • Imprimir
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
  • LinkedIn
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > GS3107

Estágio V


Código: GS3107    Sigla: E5

Ocorrência: 2020/21 - 1S

Área de Ensino: Gerontologia Aplicada

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
LGS 7 Despacho 6311/08 de 05 de Março 8 ECTS

Horas Efetivamente Lecionadas

TURMA3

Trabalho de Campo: 0,00
Seminário: 0,00

Docência - Horas

Trabalho de Campo: 0,00
Seminário: 3,00

Tipo Docente Turmas Horas
Trabalho de Campo Totais 1 0,00
Marisa Raquel Venâncio da Silva   0,00
Seminário Totais 1 3,00
Marisa Raquel Venâncio da Silva   3,00

Língua de Ensino

Português

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

Pretende-se que o aluno mobilize conhecimentos e treine competências relativas ao trabalho com idosos, instituições e organizações locais, em prol do desenvolvimento de entidades amigas das pessoas idosas.

Espera-se que seja capaz de:

Elaborar um diagnóstico institucional, propondo projetos que apresentem mudanças em respostas, políticas, programas e serviços direcionados para as pessoas idosas e famílias.

Assim, o aluno deve:

1. Sintetizar quadros gerontológicos relacionados com problemas dos mais velhos, suas famílias, ambientes e comunidades;

2. Elaborar projetos de intervenção em domínios como: saúde, acessibilidades, segurança, tecnologias de apoio, relações sociais, suporte informal, lazer e aprendizagem, participação social, prevenção do abuso, etc;

3. Promover a escuta, o envolvimento e os contributos de idosos, famílias, profissionais e entidades na definição desses projetos;

4. Implementar e avaliar continuadamente os efeitos das intervenções, investigando soluções criativas e práticas para os problemas relacionados com o envelhecimento e as pessoas idosas;

5. Problematizar a evolução dos papéis do gerontólogo na investigação de comunidades, programas, serviços e políticas;

6. Realizar um diagnóstico que evidencie potencialidades e fragilidades da comunidade/entidade, espelhando as visões dos vários interlocutores;

7. Reconhecer os princípios e valores éticos inerentes ao exercício profissional e à investigação com pessoas idosas;

8. Desenvolver relações de cooperação com vários agentes e entidades relacionadas com o/a estudo/intervenção com pessoas idosas.


Programa

1. Modos de conhecer e fazer em gerontologia social;

1.1 O envelhecimento experienciado num determinado contexto institucional: aprofundar o impacto que as mudanças que se têm vindo a operar nas estruturas demográfica e familiar produzem nas instituições e os desafios que colocam à construção de políticas, projetos e respostas sociais dirigidas às pessoas idosas;

1.2 A condução dos processos de integração e participação nos contextos de estágio, atendendo às particularidades dos diversos contextos e do trabalho de articulação entre equipas, projetos, agentes privilegiados da comunidade e respostas sociais para pessoas idosas;

1.3 Construção de diagnósticos socioinstitucionais através de uma avaliação multidimensional que espelhe as particularidades dos contextos: instrumentos de recolha e análise de dados (grelhas de observação; guião de entrevista; análise de documentos e estatísticas existentes)

1.4 Análise integrada da informação recolhida.


Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objetivos da UC

Os conteúdos programáticos visam traduzir os conhecimentos teóricos multidisciplinares em projetos de ação. Parte-se do aprofundamento do impacto que mudanças complexas operadas nas estruturas demográfica e familiar produzem na solidariedade social e relações de interdependência. Estas mudanças traduzem-se em desafios e problemas aos quais as entidades atribuem respostas distintas através das medidas de política social global e nacional e através medidas e respostas sociais de expressão local. Percebe-se que os contextos e as distintas entidades locais não providenciam a mesma qualidade e diversidade de serviços ou projetos, nem os seus agentes se articulam nas mesmas lógicas de parceria ou rentabilização e partilha de recursos. Neste sentido, os conteúdos programáticos respondem à necessidade de construir um diagnóstico socioinstitucional, acionando procedimentos de investigação éticos e fiáveis que permitam ao investigador desenvolver relações de cooperação e espelhem as visões dos vários interlocutores.

Bibliografia Principal

Jacob, L.;Animação de idosos, Mais Leituras Editora, 2013. ISBN: 9789897300028
Guerra, I.;Fundamentos e Processos de uma Sociologia de Acção, Principia, 2002. ISBN: 972-8500-85-8
Fialho, J.; Silva, C.; Saragoça, J.;Diagnóstico Social. teoria, Metodologia e Casos Práticos, Edições Sílabo, 2017. ISBN: 978-972-618-917-6
Pereira, F.;Teoria e prática da Gerontologia, Psicosoma, 2017. ISBN: 9789728994341
Guedes, J.;Viver num lar de idosos, Coisas de Ler, 2013. ISBN: 9789898218575
Serrano, G.;Elaboração de projetos sociais, Porto Editora, 2014. ISBN: 978-972-0-34857-9
Friedrich, D.;Successful aging: integrating contemporary ideas research findings, and intervention strategies, Springfield: Charles C. Thomas Publisher, 2001
Foote, C & Stanners, C.;Integrating care for older people: new care for old: a systems approach, approach. London: Jessica Kingsley Publishers, 2005
Fernandes, R.;Avaliação comunitária de uma população de idosos: da funcionalidade à utilização de serviços, Coimbra: Mar da Palavra , 2009
López, S. M. M. & Haro, A. E.;Alternativas socioeducativas para las personas mayores, Madrid: Dykinson, 2009
Pereira, J. D. L., Lopes, M. S. & Rodrigues, T. M.;Animação sociocultural, gerontologia e geriatria: a intervenção social, cultural e educativa na terceira idade, Chaves: Intervenção-Associação para a Promoção e Divulgação Cultural, 2013

Observações Bibliográficas

Todos os títulos estão disponíveis na biblioteca do ISSSP

Métodos de Ensino

Pretende-se que os alunos tenham oportunidade de observar e debater problemas inerentes à prática, traduzindo saberes teóricos em programas de ação, em permanente aperfeiçoamento. Assim, as aulas serão do tipo teórico-prático, assentes em estratégias pedagógicas que favoreçam a aprendizagem ativa e a problematização das experiências observadas nos estágios; exposição de conteúdos com recurso a elementos convencionais e multimédia; debates ou trabalhos de grupo sobre ações a planear e a desenvolver; role-playing em torno do treino de competências direcionadas para o enfrentamento de situações reais; discussão orientada de textos científicos e seminários direcionados para o conhecimento de projetos diversificados nesta área. A avaliação é contínua, integrando: assiduidade e participação ativa nas aulas e no estágio; relatório de final de semestre. A avaliação integrará também o parecer do orientador local, relativamente ao desempenho do aluno no estágio.



Modo de Avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação e Ocupação registadas

Descrição Tipo Tempo (horas) Data de Conclusão
Participação presencial (estimativa)  Aulas  42
  Total: 42

Avaliação Contínua

De acordo com o n.º2 do artigo 9º, capítulo II do Regulamento de Avaliação de Conhecimentos (RAC), a disciplina de Estágio é obrigatoriamente de avaliação contínua. 
Nas disciplinas de avaliação contínua, os alunos só poderão faltar a um máximo de 20% do total de aulas em cada disciplina (nº9 do artigo10º do RAC). O limite de faltas para o trabalho de terreno é de 5% do total de horas previstas e de 10% do total de horas previstas para os alunos abrangidos pelos estatutos de trabalhador estudante (lei 116/1997) e de apoio social a mães e pais estudantes (lei 90/2001). A avaliação é contínua, integrando: trabalhos realizados ao longo do semestre; assiduidade e participação ativa nas aulas e no estágio; relatório final. A avaliação integrará também o parecer do orientador local, relativamente ao desempenho do aluno no estágio.

Avaliação Final

A avaliação da disciplina de Estágio V será o resultado das seguintes ponderações: 50% da nota ¿ qualidade do trabalho de terreno; 40% da nota -relatório de estágio; 10% da nota - participação activa nas aulas. O apuramento da nota final faz-se através da média ponderada.

 



Provas e Trabalhos Especiais

Em conformidade com o Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Melhoria de Classificação Final/Distribuída

Em conformidade com o Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular